Almoço

Eu saí de casa e deixei as janelas abertas sem me importar com o céu. A manhã estava leve e o dia prometia ser vazio. Só, dentro de mim tocava um trompete solidário que ela nunca iria escutar. Deixei guardada no armário da cozinha uma taça de cristal tão trincada de usar, mas tão bonita.
Sim, eu fui ao supermercado. Fui comprar cebola para preparar o almoço. Eu comprei outras coisas também, mas só as cebolas importam agora. Porque, cortadas ao meio, elas lembram rosas de água (eu comprei um vinho chileno), e as pétalas líquidas e brancas tem o desenho dos trincos no cristal.
Comprei o pão que se reparte entre as mãos amigas. E foi pensando nos antigos companheiros que eu quis preparar este almoço. Mas todos foram deportados (quando não mortos) deste país estrangeiro que carrega a minha bandeira.
Não faz mal! Oh, não, não faz mal. O tempo que fluí em minhas veias e arou a minha pele disfarçou, sobre o pó, as minhas cicatrizes. As pétalas da minha taça agora são cheias e rubras. Ele me teceu lições sobre o fim das coisas (é onde elas também começam, não é?). Mostrou como a perda também traz o ganho. Ensinou o perdão e o esquecimento. As pétalas são tão doces quanto seus espinhos, afiados. É ainda violentamente rubro. Mas a dor ele não me ensinou a desfazê-la. Talvez seja a lição final.
A falta dos velhos companheiros para este almoço não me incomodou. Convidei outros que hoje compartilham melhor o segredo do silêncio comigo.
Eu chamei o vento, a luz e o som deste trompete que ela me deu quando saiu pela última vez. (Foi desde então que ele tocou). Chamei o tempo, também, é claro. E me esqueci de você, veja só!
Você me perdoe, por favor, esta cabeça prateada. Mas foi graças a ela também que você chegou. Eu deixei as janelas abertas quando saí sem me importar com o céu. E quando eu voltei e vi você, mais leve que a manhã que acabava, entrando com sua beleza em pingos e gotas. Como pude esquecê-la, minha amiga?!
Mas é claro que eu me sento aqui, sob a janela aberta, sem nenhum incômodo! E almoço e bebo com meu companheiros. Aprecio muito cada um, mas é só você que rega o meu sorriso.
Sabe, depois do último gole, quando o trompete cessar, é com este sorriso em meu rosto que eu gostaria de aprender a última lição sobre o fim das coisas. Talvez seja lá onde você começa…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: