ele é foda

Quando eu era moleque, já gostava do Laerte e dos Piratas do Tiête, do Overman, dos Gatos, dos Palhaços e de todos os personagens dele. O traço era simples e bacana, facinho para qualquer um se simpatizar pelo cara. O texto também era bom, humor da melhor qualidade — você lia e já achava engraçado. Mas eu era moleque e que sabe um moleque sobre alguma coisa nesse mundo vasto?

Então, não tendo mais o que fazer, fui crescendo. E as tiras do Laerte, foram mudando. Comecei a notar isso lendo uma sequencia de tiras do Homem-catraca, há uns quatro ou cinco anos. O traço era (e é) o mesmo, mas as tiras não eram mais engraçadas — pelo menos não todas. Às vezes, não tinha nada escrito, às vezes tinha demais, às vezes, onde deveria ter humor, tinha um puto incômodo. Incômodo! É isso, muitas vezes, aqueles três ou quatro quadrinhos publicados pela Folha me causavam um puta incômodo. E isso me atraía ainda mais.

Parecia que, dentro daqueles traços tão simpáticos, ele começava a jogar granadas. É como se ele destruísse o esqueleto da coisa. Mas não com um texto caústico como, por exemplo, o do Dahmer. Às vezes, quando leio uma tirinha do Laerte, o que tenho é um puta sentimento de vazio, do qual se desprende uma tênue sensação de beleza.

Talvez “beleza” não seja a palavra certa. Nem sempre é belo o que eu vejo nas tirinhas dele. Mas com certeza, desde que ele mudou e eu cresci, comecei a vislumbrar qualquer cosia de sublime (sem dúvida, sublime!) em muitas de suas tirinhas.

puta que pariu!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: