atualmente, sou prisioneiro de uma mente encalhada em dispersão que nada deseja e tudo quer, muito anseia e pouco faz.
canso-me de cansar. das coisas de que gosto ou das que odeio, o paladar é o mesmo. gosto e textura de cinzas enchem minha boca.
se abro as cortinas é apenas para ver a parede de tijolos. a fechadura da maçaneta que tenho em minhas mãos está destrancada, mas onde está a porta?
estou em campo aberto, abertíssimo e tenho por teto este céu libertário que me oprime. aos meus olhos ressequidos as estrelas são pó de giz.
os dias se engolem e se regurgitam com a mesma mecânica. eu ando e paro. eu paro e ando. e os meus pés pisam no mesmo lugar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: