poema 078

estilhaço

que a palavra fosse uma bala perdida sem sina certa, uma carta aberta ao sinal fechado, o caminho errado, sem curva, sem cura, sem dó, só, sustenida, sem saída, sem solução, um sentido sem direção, em si uma oração, uma reza, uma prece, uma canção, uma antiga forma de comunhão, atravessando o muro, a parede, a janela e a cidade, os prédios, o concreto, as placas, o asfalto e a cegueira, o silêncio, nosso egoísmo, o resquício do nada, a saudade, o retrato, a pele, o peito, a artéria, o ponto final.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: