poema 106

guardo-te no coração com a única segurança que tenho e que dou:
a liberdade de amar.

a segurança da chama
da vela
que eu seguro
em campo aberto
à noite
contra o vento.

guardo-te solta num coração preso a ti.
e se te cativo com essa chama
é apenas porque tenho em ti meu cativeiro:
uma cela sem paredes nem grades,
mais ampla que o campo
ou a noite.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: